Saúde e Bem-estar

Deseja ter uma bunda maior? Descubra aqui os perigos do Brazilian Butt Lift

Procedimento está em alta para alcançar o “corpo perfeito”

Quem nunca se olhou no espelho e pensou em fazer uma cirurgia para aumentar a bunda, seja quais forem os motivos? Muitas de nós cansamos de ir para a academia, não temos disposição e preferimos o jeito mais “fácil” para conquistar o “corpo perfeito”, com algo chamado de Brazilian Butt Lift (em tradução literal: Lift do Bumbum Brasileiro), que acabou sendo um tratamento muito invisionado e feito para conquistar um corpo mais curvilíneo.

A febre pela cirurgia começou 2015, e até 2019 já tinha crescido 90% nas buscas. O tratamento consiste em transferir uma parte de gordura do corpo e colocar na bunda, o que muitas pessoas às vezes conhecem também como Lipo Lad, procedimento feito por diversas famosas, superando até os procedimentos de colocação de silicone, por exemplo.

Muitas pessoas pensam que tudo isso começou com Kim Kardashian enaltecendo ainda mais o corpo volumoso, mas ao contrário do que muitos pensam, Kim não fez uma cirurgia para conseguir uma bunda como a dela, e precisou até de um raio-x para provar que não tem próteses nem nada no corpo, como podemos ver em episódios anteriores do Keeping Up With The Kardashians.

O formato de corpo ampulheta se tornou tão grande que, se pesquisarmos #BBL no TikTok acabamos com vídeos de mais de 3 bilhões de visualizações, mostrando que a tendência veio realmente para ficar, sendo que marcas como a Shein, Fashionnova e muitas outras também fazem peças para valorizar esse tipo de corpo.

Relatos dados à Cosmopolitan UK mostram que, depois da cirurgia, algo que os médicos não contam é que as pacientes perdem 40% da gordura transferida porque o procedimento acaba não durando, fazendo com que não tenhamos os resultados desejados.

Além disso, o procedimento tem um risco de mortalidade de 1 entre 3000 pacientes, de acordo com uma pesquisa feita em 2017 pela Sociedade Americana de Cirurgia Plástica. E tudo isso porque a área do procedimento envolve diversas veias, precisando que a gordura transferida seja colocada no local correto para não trazer complicações depois como a gordura entrando no nosso sistema sanguíneo ou até a morte. Leah Cambridge, por exemplo, morreu durante a cirurgia feita na Turquia, com apenas 29 anos.

Aqui, vale lembrar que o corpo ideal e perfeito não existe, já que temos diversas culturas e gostos, e do mesmo jeito que a ditadura da magreza trazia complicações, a ditadura de ter um corpo mais curvilíneo também traz problemas.

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM