logo
/ Reprodução/Nueva Mujer
Estilo de Vida 23/12/2020

Psicólogo responde as 4 perguntas mais comuns sobre infidelidade

Por : Nova Mulher

Infidelidade é definida como a traição da confiança entre duas pessoas que estão em um relacionamento e que produz insegurança e instabilidade no vínculo.

O psicólogo Hugo Huerta, especialista em trauma complexo de desenvolvimento, responde as quatro perguntas mais comuns sobre infidelidade.

 

Por que a infidelidade é uma experiência traumática?

Hugo Huerta explica que esse tipo de engano dentro de uma relação pode se tornar um evento traumático especialmente para aqueles que veem sua confiança traída, pois implica uma grande carga emocional e sofrimento intenso nas pessoas afetadas.

O especialista ressalta que o fator crítico na identificação do trauma é a percepção do perigo e a incapacidade de lidar com ele.

“No caso da infidelidade, o traumático acontece porque, a partir do momento em que nascemos até morrermos, os seres humanos estão em busca de pessoas que nos forneçam segurança e estabilidade nas relações interpessoais.”

“Isso, do ponto de vista evolutivo, é necessário para nossa sobrevivência. Portanto, para o nosso sistema nervoso, essa traição é lida como um perigo mortal, pois implica a possibilidade de abandono e rejeição.”

 

Quais são as consequências da infidelidade?

O psicólogo menciona que os efeitos de uma infidelidade são muito semelhantes (mas não idênticos) às consequências do estresse pós-traumático, estresse agudo ou outras reações ao estresse severo, como:

  • reavivamentos (lembrar e sentir os fatos repetidamente)
  • pesadelos
  • angústia severa
  • pensamentos incontroláveis sobre a situação.

Isso porque a traição da confiança é muito complexa de entender, e, portanto, mantém nosso sistema nervoso por muito tempo em um estado de ansiedade e estresse.

Isso pode ser mais grave quando a traição é dupla, ou seja, o ato de infidelidade é desenvolvido com uma pessoa conhecida dentro de seu principal grupo de apoio emocional.

Da mesma forma, a duração da relação paralela junto com a mentira pode agravar a situação e dificultar a cura. “Portanto, uma rápida confissão do fato pode abrir maiores chances de superação, pois torna mais fácil tirar a pessoa da situação de angústia ao perceber traição, humilhação e desconforto emocional.”

 

Se um casal decide continuar o relacionamento, quais são as recomendações para abordar o trauma e, posteriormente, superá-lo?

O psicólogo enfatiza que ambos os atores desempenham um papel importante nesse processo.

Sem dúvida o mais relevante é o da pessoa que trai, já que o primeiro passo na reconstrução do relacionamento, é mostrar seu arrependimento e decisão de ficar com seu parceiro apesar das dificuldades.

Enquanto isso, a vítima da traição terá que lidar com os efeitos da infidelidade em seu sistema nervoso. É muito provável que esse estresse sério gere mudanças repentinas de humor causadas por reavivamentos que podem vir de suas memórias ou do ambiente, bem como o aparecimento de problemas subjacentes não resolvidos e ondas agonizantes de emoções negativas.

Hugo Huerta adverte que a pessoa afetada provavelmente terá a necessidade de contra-atacar, escapar ou se sentir imobilizada.

“É por isso que seu papel nesse processo é aprender a autorregular as emoções, buscar apoio externo profissional e decidir curar e, se quiser, reconstruir a relação. O que é certamente possível, pois os seres humanos podem ser resilientes e fortalecidos a partir de experiências adversas.”

 

Pessoas com apego ansioso acharão mais difícil enfrentar a infidelidade?

Pessoas com um estilo de apego ansioso são muito mais vulneráveis a danos psicológicos mais profundos como resultado da infidelidade.

São pessoas que durante a infância nunca sentiram total certeza de realmente ter cuidados estáveis e seguros por parte de seus pais ou cuidadores e, portanto, como adultos, vivem em constante estado de alerta às mudanças de atitudes em seus parceiros.

“Essa ansiedade permanente pode causar um transtorno ainda maior ao saber de uma traição, uma vez que simplesmente diz que seus medos seriam confirmados e, portanto, a dificuldade em resolver a situação seria aumentada e, assim, aumentaria exponencialmente o estresse, a ansiedade e a dificuldade em superar e integrar a experiência.”

 

Fonte: Nueva Mujer