Estudo revela razão pela qual não resistimos a ter um gato como companheiro

Siga

Nova Mulher
Reprodução/Nueva Mujer

Muitas pessoas têm gatos, e em várias ocasiões eles parecem ser os que nos escolhem e acabam tomando conta de nossos corações. Mas por quê?

De acordo com um estudo publicado pela Nature Ecology & Evolution, a explicação remonta a milhares de anos, quando os seres humanos começaram a viver com felinos e viram pontos positivos na relação.

 

A origem dos gatos como animais de estimação

Dos tempos antigos até os dias atuais, os gatos se estabeleceram como um dos melhores companheiros do homem, apesar de popularmente terem uma reputação de egoístas e mal-humorados.

Embora para muitos isso possa ser o charme desses pequenos animais, totalmente opostos aos cães, a realidade é que esse vínculo surgiu quando eles começaram a mostrar a capacidade de proteger seus donos.

Basicamente, a pesquisa apresentada na revista científica afirma que os gatos foram domesticados sozinhos para se encaixarem na vida doméstica das pessoas.

No início, essa relação surgiu há mais de 10 mil anos no Oriente porque os felinos caçavam os camundongos que danificavam as plantações, de acordo com o meio acima mencionado.

Esses tipos de felinos selvagens habitavam áreas próximas às fazendas e acabavam com ratos e outros roedores que ameaçavam a paz dos humanos, o que lhes rendeu progressivamente ser aceito nesses lugares.

Mais tarde, os gatos se adaptaram à vida doméstica e a acharam aconchegante, segura e confortável. Então viver com as famílias começou a fazer parte de sua natureza.

 

A relação de hoje

“Através de uma combinação de comportamento evoluído e boa aparência natural, os gatos domésticos exerceram uma espécie de controle sutil sobre nós”, escreveu a autora Abigail Tucker, citada no mesmo portal.

Assim, eles incorporaram em sua evolução a capacidade de miar para imitar os sons dos bebês, o que faz com que os humanos prestem atenção neles ou possam persuadi-los.

Ainda assim, as mudanças que tinham que fazer não eram muitas para se adaptar à vida doméstica e roubar o coração de qualquer um como fazem hoje, disse a bióloga Eva-Maria Geigl.

De qualquer forma, com o passar dos anos, os humanos viram que os gatos eram bons companheiros para ficar em casa e hoje a ciência afirma que seus benefícios vão muito além dos primitivos.

Sabe-se que sua companhia reduz o estresse e a pressão arterial, fortalece o sistema imunológico, ajuda a se recuperar do trauma emocional, e o seu ronronar é curativo,

 

Fonte: Nueva Mujer