logo
/ Unsplash
Estilo de Vida 10/12/2020

Cada vez menos jovens querem ter filhos por causa do ‘apocalipse climático’

Por : Nova Mulher

Nos últimos meses, uma série de eventos mostraram que a crise ambiental está se tornando cada vez mais ameaçadora. Não só desastres naturais demonstraram sua força, mas também aqueles causados por ações humanas, como incêndios florestais e poluição dos oceanos.

 

Filhos e meio ambiente

Pessoas preocupadas com a crise climática estão decidindo não ter filhos por medo de que eles tenham que lutar contra um apocalipse climático, segundo especialistas.

Um estudo publicado na revista Climatic Change diz que os jovens estão cada vez mais pensando em ter filhos devido à ameaça de uma crise climática.

Pesquisadores entrevistaram 600 pessoas entre 27 e 45 anos que já estavam considerando as preocupações climáticas em suas escolhas reprodutivas e descobriram que 96% estavam muito ou extremamente preocupados com o bem-estar de seus futuros potenciais filhos em um mundo em mudança climática.

 

Os relatos

Uma mulher de 27 anos disse: “sinto que, na consciência, não posso trazer uma criança para este mundo e forçá-la a tentar sobreviver ao que pode ser condições apocalípticas”.

Outro entrevistado descreveu o mundo como um lugar “irreconhecível e com o clima extremo. Falta de comida. Dissolução política e econômica. Conflitos em larga escala. Migração. Seca”.

As avaliações revelaram visões muito pessimistas sobre o impacto do aquecimento global no mundo. A pesquisa também descobriu que algumas pessoas que já eram pais expressaram seu pesar por terem seus filhos.

 

Pegada de carbono

Ter um filho também significa potencialmente que essa pessoa produzirá uma vida de emissões de carbono que contribuem para a emergência climática, mas apenas 60% dos entrevistados estavam muito preocupados com essa pegada de carbono.

“Os temores sobre a pegada de carbono de ter filhos tendem a ser abstratos”, disse Matthew Schneider-Mayerson, professor da Yale-NUS College, em Cingapura, que liderou o estudo.

“Mas os medos sobre a vida de crianças existentes ou potenciais eram realmente profundos e emocionais. Muitas vezes foi de partir o coração analisar cuidadosamente as respostas.”

 

O estudo

O número de pessoas que levam em conta as mudanças climáticas em suas plantas reprodutivas provavelmente aumentará.

O estudo não encontrou diferenças estatisticamente significativas entre as opiniões de mulheres e homens, embora as mulheres tenham sido compostas por ¾ dos entrevistados.

Pessoas que se arrependeram de ter filhos também foram encontradas: 6% dos pais confessaram sentir algum remorso por ter filhos.

 

Ter filhos ou não?

Estudos afirmam que ter um filho gera uma quantidade gigantesca de emissões de carbono, muito mais do que as emissões geradas por outras escolhas de estilo de vida, como dirigir um carro ou comer carne.

Mas, de acordo com um novo relatório do Founders Pledge, revelou que o problema com a maioria dos estudos sobre o impacto climático de várias decisões de estilo de vida é que eles não levam em conta possíveis mudanças na política governamental no futuro.

Mas a política climática quase certamente se tornará muito mais rigorosa ao longo da vida de nossos filhos e netos.

 

Fonte: Nueva Mujer