‘Microinfidelidade’ nas redes sociais: elas contam ou devemos ignorá-las?

Siga

Nova Mulher
Unsplash

Falar sobre infidelidade é um tema complicado, já que os limites são pouco definidos. O que para muitos acaba sendo irreal, para outros é aceitável.

Com razão, uma questão controversa — especialmente por causa da explosão das mídias sociais — é o conjunto de atos que são considerados inocentes, mas podem ser perigosos — e ao qual especialistas já deram um nome: “microinfidelidade”.

 

Leia também

 

As “microinfidelidades”

Elas são “uma série de pequenas ações que indicam que uma pessoa está emocionalmente ou fisicamente focada em alguém fora de seu relacionamento”, define a psicóloga australiana Melanie Schilling.

Levado para o ambiente do mundo digital, é quando você constantemente troca mensagens com outra pessoa que você sente algum tipo de atração.

Da mesma forma, inclui minimizar o relacionamento existente e práticas como salvar o número de telefone de outra pessoa com um nome de código, explica.

Além disso, hábitos como revisar regularmente o perfil de um ex e até mesmo manter a comunicação se esse episódio ainda não foi superado.

Casos piores de “microinfidelidades” incluem falar mal sobre o casal e, claro, chegar ao ponto de trocar mensagens com conteúdo sexual.

 

A proporção

Quando se trata de pesar “microinfidelidades”, surge a confusão se elas são inocentes ou têm o poder de romper a relação.

“‘Microinfidelidade’ é cerveja, e infidelidade emocional é uísque”, diz o psicólogo Douglas Weiss.

Ou seja, elas são o primeiro passo para acabar sendo infiéis, pois nessas fases as partes interessadas começam a se conhecer e a descobrir se há interesse.

“Se sim, os dois continuam para a próxima fase, que é a infidelidade emocional. Nessa fase, compartilham sonhos, interesses e frustrações. Se tudo correr bem, abre um caminho para a infidelidade sexual”, acrescenta o especialista.

Em conclusão: elas acabam sendo práticas que igualmente minam a relação.

 

O que fazer

Muitas pessoas certamente se engajaram em comportamentos tão sutis que se tornaram mais comuns por confiar tanto no ambiente digital e ainda mais em tempos de confinamento.

Nesse caso, o fundamental é falar sobre isso com o casal, evitando ataques e estabelecendo novas regras que lhes permitam chegar a um consenso sobre o que é prejudicial e o que lhes permite obter bem-estar.

 

Fonte: Nueva Mujer