Famosos

Culpa materna: Serena Williams fala sobre como equilibrar trabalho e maternidade tem sido difícil

“A culpa materna é real. Eu sempre me sinto tão culpada quando estou fazendo algo para mim mesma”, desabafou a atleta

A lenda do tênis Serena Williams – que tem uma filha de quatro anos com o marido Alexis Ohanian – falou sobre tem sido equilibrar sua vida profissional com a maternidade, admitindo que muitas vezes sofre com a “culpa materna”.

Em entrevista ao Insider (em inglês), a tenista de 40 anos revelou que é uma mãe “prática”, embora sofra por não poder dedicar todo seu tempo à filha Alexis (que também atende pelo nome de Olympia). “A culpa materna é real. Eu sempre me sinto tão culpada quando estou fazendo algo por mim mesma”, disse Williams.

“Não sei se sou uma boa mãe”, acrescentou. “Não sei se meu método funciona, mas sou muito prática com minha filha.” Williams continuou explicando que ser uma mãe prática é algo que ela aprendeu com sua própria mãe e pai, mas isso significa que ela muitas vezes luta para saber onde seu trabalho termina e a maternidade começa, além de se ajustar ao tempo para si mesma.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Nova onda de sarampo traz perigo especial para crianças; entenda a importância da vacinação

· · ·

“Eu estabeleci limites muito bons”, ela apontou, “mas depois do trabalho, vou direto para minha filha. E isso é incrivelmente bom, mas agora é como, ‘Ok, o que acontece com Serena?’”

A conversa de Williams sobre a materna vem apenas algumas semanas depois de ela revelar que salvou sua própria vida nas horas que se seguiram ao nascimento de sua filha. Em um ensaio pessoal para Elle, a tenista profissional lembrou como seu raciocínio rápido e determinação para ser ouvida pelos médicos fizeram com que ela escapasse da morte depois que Olympia nasceu.

“Em 2010, descobri que tinha coágulos de sangue em meus pulmões - coágulos que, se não fossem capturados a tempo, poderiam ter me matado. Desde então, vivo com medo de que eles voltem”, escreveu ela, apontando que depois de receber sua filha por meio de uma cesariana de emergência, seu histórico médico foi aparentemente esquecido.

“Tudo o que eu conseguia pensar era: ‘Estou morrendo, estou morrendo. Oh meu Deus’”, disse ela, acrescentando que implorou e lutou “muito” para ser ouvida por profissionais médicos. Eventualmente, Williams foi levada para uma varredura, onde um coágulo de sangue potencialmente fatal foi encontrado em seus pulmões, levando-a a voltar à sala de cirurgia para uma operação que salvou sua vida.

Cinco anos depois, a tenista profissional enfatiza como ser dispensada pelos médicos quase lhe custou a vida. “Nos Estados Unidos, as mulheres negras têm quase três vezes mais chances de morrer durante ou após o parto do que as brancas. Muitas dessas mortes são consideradas pelos especialistas como evitáveis”, observou ela. “Ser ouvida e tratada adequadamente foi a diferença entre a vida ou a morte para mim; eu sei que essas estatísticas seriam diferentes se o estabelecimento médico ouvisse a experiência de cada mulher negra”.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM