Vídeo de dança do ventre se torna viral e brasileira fica famosa no Egito; 'Estou onde eu sempre quis estar'

Siga

Nova Mulher
Reprodução / Instagram @lurdianabellydancer

Maria Lurdiana Alves Tejas, de 32 anos, jamais imaginou que uma ida ao salão de beleza mudaria a sua vida. A bailarina que reside no Cairo, se tornou famosa após um vídeo viralizar na Internet.

"É um salão brasileiro, as funcionárias falam português. Elas pediram para eu dançar. Eu estava de vestido, jaqueta, tênis e sem maquiagem. Não queria muito, estava atrasada. Nem pedi o vídeo. Dancei e esqueci daquilo", contou ao portal de notícias Bem Paraná.

A artista que nasceu em Porto Velho, em Rondônia, se inspirou na carreira da mãe e assumiu seu lugar como professora de dança do ventre aos 18 anos. El  chegou no Egito em 2017, após um período de insatisfação na carreira e o fim do casamento.

"Recebi a ligação da minha amiga com o convite para ir ao Egito um dia depois da minha separação. Dez dias depois, estava sozinha no Egito. Peguei meu último salário, troquei uns dólares e parti sem olhar para trás. Foi assustador, mas revigorante", relembra.

Apesar de hoje seu vídeo ser exibido em canais de televisão local e ser apontada como uma das melhores dançarinas do Egito, sendo convidada para participar em videoclipes e trabalhando em diversos eventos de celebridade, ela também passou dificuldades.

"As pessoas não gostaram da forma como eu dançava; achavam que eu não sabia como interagir com o público. No Brasil, nossa escola é outra. (…) Tive que aprender aos poucos, reconstruir meu jeito de dançar e carreira – com elementos que aprendi com as egípcias", explicou.

Lurdiana também relembrou que sofreu bastante com as mudanças da paisagem e chorava ao por falta da natureza. Além das dificuldades de dividir uma moradia pequena com outras bailarinas e se adaptar com a alimentação totalmente diferente da brasileira.

"Aqui, quando a dançarina de dança do ventre ganha certo status, ela é tratada como qualquer artista, como uma atriz ou cantora. Apesar de não ser bem vista por uma parcela da sociedade", disse, apontando a pressão religiosa.

Ainda assim, a brasileira irá aproveitar o momento de fama para colocar seus projetos em prática, como um curso de dança do ventre online que será lançado e suas apresentações em eventos.

“Estou onde eu sempre quis estar. Não penso em voltar para o Brasil agora. Penso em ficar mais uns 10 anos. Quero ter minha própria escola aqui no Cairo", planeja.