logo
/ Unsplash
Saúde e Bem-estar 30/03/2021

Sono insatisfatório: um problema de saúde que afeta 60% dos adultos

Transtorno tem consequências a nível físico e mental

Por : Redação

Comer tarde, fazer exercícios e usar telas antes de dormir são costumes cada vez mais comuns e que podem impedir uma boa noite de sono. A isso se somam os problemas que a pandemia produziu.

A neurologista do programa de medicina do sono da Clínica da Universidad de los Andes, Evelyn Benavides, alerta que dormir pouco é um problema de saúde global. “Até 60% dos adultos já manifestaram problemas nesse sentido em algum momento da vida”, afirma.

“O que se torna um problema de alta prevalência, uma vez que, durante as horas de sono, são realizadas funções vitais básicas para o corpo, essenciais para o bom funcionamento físico e mental”, acrescenta.

As consequências

O especialista explica que dormir pouco tem consequências como alterações de humor, diminuição do desempenho acadêmico e profissional, aumento do risco de aumentar o peso e desenvolver doenças cardiovasculares. Além disso, aumenta o risco de doenças metabólicas, como diabetes e resistência à insulina.

Por outro lado, ficar sonolento durante o dia pode causar acidentes de trabalho ou de trânsito. E, durante a noite, doenças como ronco, insônia e apnéia obstrutiva podem ocorrer.

Os mais afetados são crianças, idosos e portadores de doenças crônicas associadas, como diabetes e hipertensão.

Como saber se durmo mal

Evelyn detalha uma série de pontos que podem nos alertar sobre esta situação:

  • Você não se sente descansada mesmo depois de dormir a quantidade certa de horas.
  • Percebe uma queda no desempenho do dia a dia.
  • Tem dor de cabeça matinal.
  • Sofre de problemas de saúde.

Diante desses sinais, ele aconselha ir a um especialista para fazer os estudos pertinentes para obter um diagnóstico e tratamento adequados.

Atualmente, existem muitos fatores que podem prejudicar a higiene do sono, como:

  • Uso de telas antes de dormir.
  • Dormir e acordar em horários diferentes.
  • Exercitar-se tarde demais.
  • Comer alimentos muito pesados à noite.
  • Fumar e beber álcool e/ou cafeína.

Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de jornalistas e redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: