Uma nova vacina pode impedir que as mulheres contraiam HIV

Reprodução/Nueva Mujer

A pandemia do coronavírus se tornou um dos maiores desafios para a ciência. Enquanto todas as pesquisas estão focadas no desenvolvimento de uma vacina eficaz, outros grupos continuam a pesquisa para combater outros vírus, como o HIV.

HIV significa vírus de imunodeficiência humana e, de acordo com a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, afeta o sistema imunológico destruindo os glóbulos brancos que combatem infecções. Aids significa síndrome de imunodeficiência adquirida que é o estágio final da infecção pelo HIV. Ou seja, nem todo mundo com HIV desenvolve Aids.

 

A transmissão

O HIV é frequentemente transmitido através do sexo desprotegido com uma pessoa com HIV. As mulheres podem obtê-lo mais facilmente durante o sexo vaginal do que os homens. Também pode se espalhar compartilhando agulhas para medicamentos ou entrando em contato com o sangue de uma pessoa que tem HIV.

Pesquisadores estão agora em um esforço para desenvolver uma vacina eficaz para evitar que as mulheres contraiam o HIV. De acordo com seus estudos, uma injeção de uma droga experimental a cada dois meses funcionou melhor do que pílulas diárias para ajudar a evitar que as mulheres contraíssem HIV de um parceiro sexual infectado.

A notícia é uma benção aos esforços de prevenção da Aids, especialmente na África, onde o estudo foi realizado e onde as mulheres têm poucas maneiras discretas de se proteger da infecção.

Os resultados até agora sugerem que a droga, cabotegravir, foi 89% mais eficaz na prevenção da infecção pelo HIV do que as pílulas de Truvada, embora ambas reduzam esse risco.

 

O Cabotegravir

Cabotegravir está sendo desenvolvido pela ViiV Healthcare, que é principalmente propriedade da GlaxoSmithKline, com a Pfizer Inc. e a Shionogi Limited. O estudo foi patrocinado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH), pela Fundação Bill & Melinda Gates e pelo ViiV. As drogas foram fornecidas pela ViiV e pela fabricante de Truvada Gilead Sciences.

“Isso é um avanço. Não acho que podemos exagerar na importância deste estudo”, disse o Dr. Anthony Fauci, o principal médico de doenças infecciosas do NIH.

A droga promete assistência de prevenção ao HIV para mulheres jovens, “aquelas que mais precisam”, disse Fauci.

 

A saúde da mulher

Mulheres jovens podem ter duas vezes mais chances que os homens de contrair HIV, de acordo com Sinead Delany-Moretlwe, da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, África do Sul, um dos pesquisadores que lideram o estudo.

“Elas precisam de opções discretas… Sem ter que negociar com seus parceiros para usar medidas como preservativos”, disse Deborah Waterhouse, da ViiV.

O estudo envolveu mais de 3,2 mil participantes em sete países africanos que foram aleatoriamente designados para receber injeções a cada dois meses ou pílulas truvada diariamente.

Monitores independentes aconselharam parar o estudo depois de ver que apenas 0,21% das mulheres que receberam as injeções contraíram o vírus, contra 1,79% das mulheres que tomaram os comprimidos.

 

Os efeitos colaterais

Houve mais efeitos colaterais, principalmente náuseas, com pílulas diárias. Os fabricantes de cabotegravir estão buscando a aprovação dos reguladores para vendê-lo para este fim, e truvada já é amplamente utilizado.

Os preservativos permanecem amplamente recomendados porque ajudam a prevenir uma série de doenças sexualmente transmissíveis, não apenas o HIV.

 

Fonte: Nueva Mujer